Policial em Boqueirão do Piauí é acusado de apuso do poder legal.

Um desentendimento entre um policial e um proprietário de um som automotivo em um bar na cidade de Boqueirão do Piauí (126 km ao norte de Teresina) terminou em quebra-quebra. A informação chegou à redação do ‘Em Foco’ no fim da tarde deste domingo (19). O episódio aconteceu na noite de ontem, sábado (18).

Segundo informações preliminares, um vizinho incomodado com o som no bar, que fica em frente a Igreja, na praça central da cidade, acionou a polícia. Ao chegar no local, o Tenente Brito, que responde pelo GPM local, teria iniciado uma discussão com o do dono do veículo, identificado pelo apelido de “Edim” e o dono do bar, Jonas Alves de Andrade 63 anos.

O Tenente disse que o proprietário deveria ajudar a Polícia Militar, e não contribuir para o crime, ao ser conivente com a perturbação da ordem pública.

Em um áudios enviado por testemunhas à reportagem, o policial, aparentemente exaltado, fala palavras de ordem: “Vocês tem que ajudar, e não ser conivente com um vagabundo que quer perturbar o sossego de Boqueirão! Ouvir som é uma coisa, perturbar a ordem pública é outra coisa! Eu quero que tu respeite o cidadão e a lei! Isso aqui é crime! Vai me denunciar aonde tu quiser! O errado é tu! Enquanto eu estiver aqui não vai acontecer isso! Perturbar a ordem pública e desrespeitar as autoridades é crime! O teu direito de estar aqui é igual o de quem está querendo dormir!” disse o policial.

O policial teria quebrado uma mesa e a grade do bar. Há informações também de que a esposa do dono do estabelecimento, Maria de Jesus, teria desmaiado em razão da discussão. Ainda segundo informações de populares, neste domingo o policial teria ido até o bar pedir desculpar e dizer que irá pagar pelos prejuízos materiais.

OS LADOS

O Em Foco falou sobre o fato com Tenente-Coronel Cordeiro, comandante do 15º Batalhão. Ele afirmou que soube do caso através de nossa equipe e que para prestar esclarecimentos é preciso que o dono do estabelecimento denuncie, para que seja aberta uma investigação sobre o ocorrido.

ATUALIZADA

As 19:47hs a reportagem conseguiu falar com o dono do Bar. Jonas Alves disse que reconhecemos que o som estava bem alto e já era mais de 22:00hs e sabe que é errado, mas acha que o policial foi ultrapassou seu limite de autoridade. “Ele deveria ter chegado e falado comigo ou mesmo com o dono do som que teria sido desligado imediatamente, mas já chegou gritando com todo mundo e dando murro e ameaçando todo mundo” disse

rgerggegr
Jonas disse ainda que fala com o pessoal e chega a perder clientes, mas vive do negócio e tenta agradar os clientes, mas garante que som em seu bar nunca mais. “Eu sempre respeito a todos. Não sou de baderna. Trabalho honestamente. Não sou bandido. A autoridade está para dar segurança aos cidadãos”, desabafou.

Segundo ele, faltou dialogo. “Não tinha bandido dentro do bar. Não tinha briga. era conversar, mas chegou gritando, acordou todos, mas que o som” concluiu.

Houve também a tentativa de contato com o policial Tenente Brito, mas não foi possível identificar seu telefone.

O Em Foco está disponível para esclarecimentos por parte do policial.

Créditos CampoMaioremfoco(Fotos e informações): Edson Alves

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *