Histórica: Campo Maior ganhará Réplica da Casa da Fazenda Tombador

 A Casa da Fazenda Tombador, será construída novamente em Campo Maior, ela vai ressurgir no bairro Cidade Nova no terreno da AAMPO – Associação dos Amigos do Museu Popular. A casa é uma referencia histórica do Piauí, pois foi nesse prédio, que o comandante português Fidié se refugiou com suas tropas logo após a Batalha do Jenipapo em 1823,

O projeto é uma idealização do escritor e historiador Francisco de Assis Lima, que é professor e Advogado e que vem pesquisando a história do Piauí há mais de 15 anos quando se formou em Historia no Campus da Universidade Estadual do Piauí – UESPI. A casa faz parte do projeto do MUSEU POPULAR DE CAMPO MAIOR.

Nessa sexta feira 01 de novembro a secretaria de cultura do município de Campo Maior Milena Scarcela recebeu em seu gabinete na prefeitura, o coordenador de projetos da AAMPO, o professor Assis Lima aonde assinaram a parceria em que define a participação do município através da secretaria de cultura na construção da Casa da Fazenda Tombador, feito que dará grande importância e visibilidade a cultura de Campo Maior e do Piauí.

A construção da Casa da Fazenda Tombador, terá como aposte financeiro apenas R$ 5.000,00 (cinco mil reais) além do material que será garimpado com outro colaboradores, pois a construção será feita com sucata de demolição para manter aproximada a autenticidade da Réplica proposta.

Estamos dando um grande passo no resgate da cultura e fortalecendo a historiografia do Piauí, contribuindo e participando de projeto dessa importância, frisou a secretaria.

sec II

IMG_20191101_121638245_BURST001

Segundo  o historiador e coordenador de projeto do Museu Popular de Campo Maior, professor Assis Lima, afirmou que a construção da casa vai começar no curto espaço de tempo e deve ser realizada no período de 90 (noventa dias) “Essa construção é mais um passo no reconhecimento da Batalha do Jenipapo, uma luta que teve a participação de muitos Brasileiros e garantiu a consolidação da Independência do Brasil” afirmou o historiador Assis Lima.

 

 

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *