A “Gabi” que não canta é uma praga

O mundo rural também tem uns homônimos famosos, mas especificamente o que vou falar hoje ninguém quer que faça sucesso.

Vocês devem conhecer a Gabi Amarantos, a famosa cantora, compositora e apresentadora, rainha no estado do Pará com seu Technobrega, que rapidamente se espalhou no Brasil, causando um alvoroço com seu rítmo quente.

Pois bem, o Brasil tem outra Amarantos, com nome até mais “chic”, trata-se da Amaranthus palmeri, um tipo de caruru que foi encontrado em 2015, no estado Mato Grosso . Trata-se de uma planta exótica, ou seja, tem origem em outro país, mais precisamente EUA e México, que vem causando muita preocupação por ser extremamente agressiva, com potencial de reduzir produtividade de soja, milho e algodão em torno de 80% a 90%.

É meus amigos, um mato pode ser uma praga e trazer prejuízos comparados àquela cachaça, ao som da Gabi em um inferninho com as profissionais do amor e que sua mulher descobriu, pense!

Essa planta é ninja, sabida demais e gosta de procriar com suas “primas”, já que o gênero Amaranthus são comumente encontradas no Brasil, fazendo com que sua perpetuação fique mais fácil. E o sangue dela é ruim, no Mato Grosso foram coletadas amostras de A. palmeri, em um projeto de extensão entre o IMAmt, UNIVAG e UFMT onde foram identificadas plantas com resistência a dois tipos de ação de herbicidas, sendo um desses o do Glifosato, disparado como mais usado. Já nas terras do galego abusado (EUA), já existem biótipos resistentes a cinco mecanismos.

WhatsApp-Image-2018-07-10-at-12.55.18-PM

E essa Gabi do Paraguai se parece muito com outros carurus que existem no Brasil, o que faz com que você produtor tenha cuidado com sua lavoura, quase o mesmo que você deve ter no carnaval, para não trocar saliva com um do mesmo gênero.

Na verdade, nem do Paraguai ela veio, uma das hipóteses é que ela entrou no Brasil vinda em colheitadeiras da Argentina, com sementes dessa praga, sem uma limpeza bem feita ou mesmo sujas. Esse trânsito de máquinas agrícolas sem a devida limpeza é a forma de maior impacto em distribuição de plantas daninhas resistentes no nosso país.

Então, todo cuidado é pouco produtor, fique sempre atento em sua lavoura com aquele caruru que não morreu depois da aplicação do agrotóxico (principalmente glifosato) fazendo sempre vistorias no seu campo, observando bem as diferenças que falarei mais adiante e comunicando sempre a ADAPI (Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí) e MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) algo suspeito, para obter informações mais precisas, buscando evitar ou retardar que a praga se espalhe.

Atualmente a praga se encontra controlada e limitada ao estado do Mato Grosso, graças aos esforços dos produtores e das medidas adotadas rapidamente pelo IMAmt e MAPA, para contenção e erradicação da A. palmeri.

Características

foto-01

imagem-3

Por isso, produtor, fique atento, pois o controle inadequado pode inviabilizar a colheita, aumentar a necessidade do uso de herbicidas, onerar o custo de produção e ocasionar enormes prejuízos para à agricultura brasileira, já que uma única planta é capaz de produzir 80.000 a 250.000 sementes com relatos de 1 milhão ou mais e crescer até 6 cm por dia, ou seja, quase um coelho vegetal.

Autor: Paulo Roberto de Albuquerque Melo Segundo

Engº Agrônomo

Fiscal Estadual Agropecuário

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *